Revolta de Canudos - 20 Exercícios com gabarito

01. (MACKENZIE) Os seguidores de Antonio Conselheiro acreditavam que Canudos era o lugar de salvação no mundo, um lugar privilegiado onde fiéis, através da vida limpa e piedosa, se preparavam para o Reino de Deus. Para os líderes do governo, a República estava em perigo, exigindo repressão ao movimento. A respeito do quadro social que gerou esse conflito na República Velha, está correto afirmar que:

a) as estruturas políticas tradicionais de dominação temiam a ascendência do Conselheiro sobre os sertanejos que, em sua cultura arcaica, buscavam na religião a solução para o isolamento e miséria e para a seca.
b) o Conselheiro era monarquista convicto e preparava um amplo movimento popular contra a República, ameaçando a capital, o Rio de Janeiro.
c) a ideologia republicana via o conflito como fruto do coronelismo, da miséria e das condições políticas novas não assimiladas pela cultura sertaneja, daí a solução pela tolerância.
d) o governo republicano, usando de tolerância, interferiu na ordem social,evitando o massacre defendido pelas lideranças militares.
e) no terreno econômico-social, o Conselheiro não admitia as desigualdades econômicas, incitando a população à revolta aberta contra proprietários e governo.

02. (UNESP) Nunca se viu uma campanha como esta, em que ambas as partes sustentaram ferozmente as suas aspirações opostas. Vencidos os inimigos, vós lhes ordenáveis que levantassem um viva à República e eles o levantavam à Monarquia e, ato contínuo, atiravam-se às fogueiras que incendiavam a cidade, convencidos de que tinham cumprido o seu dever de fiéis defensores da Monarquia.
(Gazeta de Notícias, 28.10.1897 apud Maria de Lourdes Monaco Janotti. Sociedade e política na Primeira República.) 

O texto é parte da ordem do dia, 06.10.1897, do general Artur Oscar e trata dos momentos finais de Canudos. Para o militar, o principal motivo da luta dos canudenses era a
a) restauração monárquica, embora hoje saibamos que a rejeição à República era apenas uma das razões da rebeldia.
b) valorização dos senhores rurais, ligados ao monarca, cujo poder era ameaçado pelo crescimento e enriquecimento das cidades.
c) restauração monárquica, que, hoje sabemos, era de fato a única razão da longa resistência dos sertanejos.
d) valorização do meio rural, embora hoje saibamos que Antônio Conselheiro não apoiava os incêndios provocados por monarquistas nas cidades republicanas.
e) restauração monárquica, o que fez com que a luta de Antônio Conselheiro recebesse amplo apoio dos monarquistas do sul do Brasil.

03. (MACKENZIE) O isolamento social e a omissão ou violência do Estado provocaram, na República Velha, movimentos messiânicos que reagiram, dentre outros fatores, contra a crise econômica e a modernidade. Identifique-os nas alternativas abaixo.

a) Revolução Farroupilha e Balaiada 
b) Intentona Comunista e Revolução de 1932 
c) Revolta de Canudos e Contestado 
d) Revolta do Forte de Copacabana e Coluna Prestes 
e) Revolta da Chibata e Vacina

04. (UFSCar)  (...) despacho de Salvador transmitia informações prestadas por um “respeitável cavalheiro vindo das regiões de Canudos”, o qual dizia se encontrarem entre os adeptos do Conselheiro “sertanejos fanáticos pelo interesses, que para ali se dirigiam acreditando na idéia do comunismo, tão apregoada pelo Conselheiro”. E adiantava este dado significativo: “sobe a sessenta o número de fazendas tomadas pelos conselheiristas em toda a circunscrição”. (...) (...) a sorte dos fazendeiros das vizinhanças de Canudos foi uma só – fuga. Não lhes restava outra alternativa como cúmplices dos atacantes. Porque eram eles, os grandes fazendeiros, que davam abrigo às tropas do governo na sua marcha sobre Canudos, forneciam-lhes animais de carga para seu abastecimento, gado e cereais para sua alimentação. Eram os principais interessados no assalto a Canudos, no esmagamento dos “revoltosos” que tão mau exemplo transmitiam aos demais explorados do campo. 

(Rui Facó. Cangaceiros e fanáticos, 1956.)

O principal argumento do autor está relacionado à ideia de que, naquele contexto, os grandes proprietários 
a) tinham receio de perder suas terras para os camponeses pobres. 
b) receavam as crenças proféticas de fim de mundo da religião de Antônio Conselheiro. 
c) ajudavam o Exército porque faziam parte oficialmente da Guarda Nacional. 
d) temiam as secas e as revoltas que provocavam os saques nos armazéns das cidades. 
e) defendiam a estabilidade política nacional e a instituição do Exército.

05. (VUNESP) Sobre a destruição de Canudos, é correto afirmar que 

a) o rápido crescimento da comunidade de Canudos passou a incomodar a Igreja Católica, que perdia fiéis, e os coronéis locais, que perdiam mão de obra. Para pôr fim a seus problemas, Igreja e coronéis contrataram cangaceiros vindos de Pernambuco para atacar o povoado de Canudos, destruindo-o completamente em outubro de 1897. 
b) inúmeras foram as tentativas do governo da Bahia para derrotar a comunidade de Canudos, mas foi a seca do nordeste que logrou derrotar os adeptos do beato Antônio Conselheiro, após seis meses de estiagem. 
c) o fanatismo religioso dos seguidores do beato Antônio Conselheiro foi o responsável pelo suicídio coletivo da comunidade de Canudos, pouco antes do arraial ser invadido pelo exército. 
d) após obter três vitórias contra as tropas do governo da Bahia, o arraial de Canudos foi totalmente dizimado pelo exército enviado pelo governo federal. 
e) Antônio Conselheiro liderou a retirada da comunidade de Canudos e sua transferência para outro local do sertão baiano. Após o esvaziamento do arraial, os adeptos de Conselheiro destruíram e queimaram todas as casas do povoado.

06. (EsPCEx) O conflito ocorrido no final do Século XIX, caracterizado pelo caráter messiânico (religioso) e de contestação social, foi a

a) Guerra do Contestado.
b) Revolta da Armada.
c) Revolta Federalista.
d) Revolta da Vacina.
e) Guerra de Canudos.

07. (UERJ) 
“As mulheres de Canudos
Guerreiam com água quente.
Os meninos com pedradas
Fazem voltar muita gente.”

(www.e-net.com.br/historia)

A trova de Sergipe acima citada destaca algumas das particularidades do movimento de Canudos (1893-1897). O conflito que aí se verificou pode ser caracterizado por:
a) participação popular desvinculada da organização de um exército de defesa
b) impedimento do uso de armas de fogo como instrumento de defesa
c) reação militar centrada nas mulheres e crianças
d) resistência baseada na organização comunitária

08. (ESA) Na história do Brasil, o termo “messianismo” é usado no estudo de alguns movimentos sociais. Assinale a única alternativa que apresenta um desses movimentos e seu respectivo líder. 

a) Revolta de Canudos / Antônio Conselheiro. 
b) Revolta da Vacina / João Maria. 
c) Guerra do Contestado, Euclides da Cunha. 
d) Os 18 do Forte de Copacabana / Miguel Lucena. 
e) Coluna Prestes / Luís Carlos Prestes.  

09. (UNESP) “Restauração e Antônio Conselheiro tornam-se sinônimos, pois ambos surgem como antípodas de republicanismo e jacobinismo. Os jornais são os maiores veículos desta propaganda imaginativa, de consequências trágicas (...)”.
(Edgar Carone. A República Velha.)

A citação relaciona-se a:
a) Monarquismo e Guerra de Canudos.
b) Federalismo e Revolução Farroupilha.
c) Revolução Federalista e Proclamação da República.
d) Deposição de D. Pedro II e Abolição.
e) Guerra do Paraguai e Questão Militar.

10. (UNESP) A República Brasileira, na última década do Século XIX, caminhava para a consolidação da oligarquia dos coronéis-fazendeiros. A crise econômico-financeira agravava as condições de vida na cidade e no campo. A rebelião de Canudos pode ser entendida como movimento de: 

a) hesitação dos mandatários políticos em desfechar medidas repressivas contra a gente oprimida. 
b) tensão social agravada pela expulsão dos camponeses que atuavam nas frentes pioneiras catarinenses e paranaenses. 
c) resistência da população sertaneja contra a estrutura agrário-latifundiária e as medidas repressivas oficiais. 
d) descontentamento dos fanáticos que buscavam efetivar práticas liberais burguesas. 
e) rebeldia dos jagunços que se opunham à rede de açudes e às campanhas de combate às secas. 

11. (PUCSP) "(O movimento) não se rendeu... resistiu até o esmagamento completo. Expugnado palmo a palmo, na precisão integral do termo, caiu no dia 5 ao entardecer, quando caíram seus últimos defensores, que todos morreram. Eram quatro apenas: um velho, dois homens feitos e uma criança, à frente dos quais rugiam raivosamente cinco mil soldados." 

A chacina empreendida pelo Exército em 1897, no interior do Nordeste, e com a qual o leitor de "Os Sertões", de Euclides da Cunha, entra em contato, tem uma de suas explicações: 

a) na necessidade, por parte do governo, de afirmar a irreversibilidade do projeto republicano. 
b) no fato de que o movimento seria uma extensão do Cangaço na região, provocando a reação dos latifundiários 
c) no objetivo do Estado republicano em conter quaisquer manifestações socialistas que inculcassem ideologias revolucionárias nos camponeses. 
d) na tentativa do Exército de impedir que os tenentes desertores continuassem sua pregação pelo interior do país. 
e) na pressão exercida, pelo Vaticano, sobre as Forças Armadas, com o objetivo de barrar o crescimento de igrejas alternativas. 

12. (Mackenzie) A mesma realidade que produziu Canudos gerou também o Cangaço, na medida em que: 

a) o catolicismo rústico não fazia parte do cotidiano destes movimentos sociais. 
b) ambos foram uma forma de denúncia contra a seca, miséria e arbitrariedade dos coronéis. 
c) a solução dada pelo governo, tanto em Canudos como no Cangaço, foi integrar pacificamente o sertanejo à civilização. 
d) o banditismo social era fortemente repudiado pela população local camponesa, que apoiava ações violentas do Estado. 
e) os dois episódios foram organizados por líderes monarquistas que pretendiam derrubar a república. 

13. (CEFET-MG) Agora tenho de falar-vos de um assunto que tem sido o assombro e o abalo dos fiéis, de um assunto que só a incredulidade do homem ocasionaria semelhante acontecimento: a República, que é incontestavelmente um grande mal para o Brasil que era outrora tão bela a sua estrela. Hoje porém foge toda a segurança, porque um novo governo acaba de ter o seu invento e do seu emprego se lança mão como meio mais eficaz e pronto para o extermínio da religião. [...]

Prédicas e discursos de Antônio Conselheiro [1895]. In: BONAVIDES, Paulo; AMARAL, Roberto. Textos políticos da História do Brasil. Brasília: Senado Federal, 2002. v. 3, p. 445.

Segundo o líder da Revolta de Canudos, a República era um grande mal para o Brasil porque
a) provocava o fim do latifúndio no país.
b) objetivava exterminar a religião católica. 
c) gerava uma violência antes não existente.
d) era uma forma de governo recém-inventada.

14. (Mackenzie) "Em 1896 há rebanhos mil correr da praia para o sertão; então o sertão virará praia e a praia virará sertão." 
(Antonio Conselheiro) 

Messianismo, catolicismo rústico, Canudos foi sobretudo: 
a) um foco monarquista, restaurador, que tinha fortes conexões políticas e objetivo definido. 
b) conforme a visão jacobina, um perigo iminente de fanáticos degenerados contra a jovem república. 
c) uma rebelião primitiva, fruto das alterações capitalistas que desestabilizaram as antigas formas de dominação social. 
d) uma revolta com aspectos exclusivamente religiosos. 
e) um movimento social que não resultou da estrutura fundiária ou opressão dos coronéis. 

15. (Mackenzie) Surgiu no sertão da Bahia uma experiência controvertida: sertanejos tentaram estabelecer uma nova sociedade, marcada pela religiosidade, sobrevivendo à seca, à miséria e às injustiças sociais da época. O problema fundamental de Canudos era a: 

a) oposição organizada dos rebeldes ao governo republicano. 
b) luta exclusiva da civilização contra a barbárie conforme interpretação positivista. 
c) repressão da Igreja contra a ação religiosa de Antônio Conselheiro. 
d) ameaça à ordem e à segurança do Estado, já que reunia marginalizados de toda a região. 
e) luta pela posse da terra, em confronto com o coronelismo e o latifúndio. 

16. (MPE-GO) No início da Primeira República (1889-1930), a oligarquia governante teve que enfrentar, no sertão baiano, um movimento social denominado: 
a) Cabanagem. 
b) Campanha Civilista. 
c) Levante do Contestado. 
d) Revolta de Canudos. 
e) Revolução Farroupilha.

17. (UECE) No que diz respeito à Guerra de Canudos, pode-se afirmar corretamente que

a) a oposição ao Estado laico da República, que instituiu o casamento civil e a secularização dos cemitérios, associada à miséria e ao abandono do povo, caracterizam a comunidade de Antônio Conselheiro. 
b) ocorreu no sertão nordestino, mas o objetivo de Antônio Conselheiro era espalhar aquele modelo socialista de comunidade a todos os cantos do Brasil com apoio dos antimonarquistas.
c) o discurso messiânico e sebastianista de Conselheiro tinha guarida entre os donos de terra que criticavam a República, pois faziam parte da elite monarquista deposta pelo golpe de 1889.
d) apesar de alguma simpatia popular, Canudos não teve apoio das populações das cidades vizinhas, devido aos saques e às invasões promovidas pelos jagunços liderados por Conselheiro.

18. (IFRR) A comunidade de Canudos, formada na última década do século XIX, contestava a forma de distribuição de terra no sertão nordestino e buscava uma nova alternativa de vida. Dessa forma, sob a liderança de Antônio Conselheiro a Comunidade de Canudos, desenvolveu um sistema, onde o trabalho era comunitário e os frutos do trabalho eram repartidos, não havendo cobrança de impostos, tendo, portanto suas próprias normas. Este sistema comunitário desagradou ao governo que empreendeu uma campanha militar para exterminar o Arraial de Canudos. Esta campanha militar, contou com a participação de um celebre escritor, que a partir de tudo viu, escreveu uma importante obra da literatura brasileira.

Nas opções abaixo indique qual das questões apresenta de forma correta, o nome do escritor e da obra produzida sobre o Arraial de Canudos.
a) Mario de Andrade - Macunaíma;
b) José de Alencar - O guarani;
c) Graciliano Ramos - Vidas Secas;
d) Euclides de Cunha - Os sertões; 
e) Castro Alves - Os escravos.

19. (UERJ) A Guerra de Canudos, de 1896 a 1897, foi um dos principais conflitos que marcaram o início do período republicano no Brasil. Os prisioneiros retratados na foto são sobreviventes dessa guerra, sertanejos vítimas de exclusão social e política. Os fatores responsáveis por essa exclusão, naquele contexto, foram:
a) êxodo rural – voto de cabresto
b) desemprego – reação monarquista
c) crise agrícola – sincretismo religioso
d) concentração fundiária – coronelismo

20. (VUNESP) A chamada Guerra de Canudos foi o confronto entre um movimento popular de fundo sócio-religioso e o exército da República, ocorrido entre os anos de 1896 e 1897, no arraial de Canudos, interior da Bahia. Vários foram os fatores que desencadearam essa guerra como, por exemplo, 

a) a crença de que a Monarquia recém-destituída seria restabelecida sob o comando de Antônio Conselheiro, líder político do arraial de Canudos. 
b) a ocorrência de secas cíclicas no nordeste brasileiro e, por consequência, a perda das plantações de subsistência, a morte do gado e a fome generalizada. 
c) o grande número de reses sem dono espalhadas pela região. 
d) a chegada de migrantes oriundos de vários estados do Nordeste em busca de novas terras para o plantio. 
e) a convocação de escravos libertos pelo exército da República, provocando revolta entre os seguidores de Antônio Conselheiro.





 ➤ GABARITO 
01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
A
ACADEDAAC
11
12
13
14
15
16
17181920
ABBCEDADDB

Nenhum comentário:

Postar um comentário